Uncategorized

Surdez – Entenda mais sobre a condição

A surdez é uma deficiência física que pode atingir pessoas de todas as idades, por causa congênita, por problemas físicos ou por acidentes, dentre outras causas. Definitiva ou reversível, há inúmeros tratamentos para diminuir seus danos, após detectada sua causa e a dimensão da lesão presente.

A surdez possui algumas características que a definem e é dividida como condutiva, neurossensorial ou mista.

Causas e tipos de surdez

Há vários tipos de surdez, sendo os mais comuns o neurossensorial e o de condução. O tipo neurossensorial acontece quando há uma lesão nas células nervosas e sensoriais, responsáveis pelo estímulo de som na cóclea até o cérebro. O tratamento, em geral, é por uso de aparelho auditivo ou outros tipos de amplificação sonora.

Para os casos de surdez por condução, a dificuldade de identificação de qualquer tipo de som é causada por um bloqueio entre a orelha interna e a externa. Dentre suas causas estão o excesso de cera, rompimento do tímpano, otosclerose ou qualquer situação em que o som não consiga fazer o caminho habitual. A maior parte das vezes é possível resolver o problema.

O tratamento cirúrgico pode ser realizado para correção de problemas como perfuração no tímpano, secreções provocadas por otite crônica e a otosclerose. Na maior parte dos casos há ganho auditivo significativo.

A surdez e o cotidiano

A surdez submete o indivíduo a uma série de dificuldades de informações cotidianas, provocando sentimentos de privação e medo do desconhecido. Sem uma orientação sobre o ambiente em que está presente, a pessoa não consegue detectar ou prever algum acontecimento, se tornando vulnerável e impotente, além de socialmente excluída.

Para crianças, a surdez pode prejudicar o desenvolvimento de sua maturidade, tornando a criança insegura sobre o mundo em que vive e as pessoas ao redor. Pela falta de compreensão absoluta sobre o ambiente em que está, a tendência é que ela se feche a um comportamento baseado somente em imagens, desconexos de uma linguagem estruturada e lógica. Outros sentidos e habilidades podem ser desenvolvidos para suprir a necessidade de comunicação, como a leitura labial através da visão, fazendo com que a pessoa com surdez consiga compreender o que está sendo dito.

A forma mais conhecida de comunicação entre deficientes auditivos é a linguagem gestual (em nosso meio chamada de LIBRAS), que permite aos pacientes se comunicarem e expressarem sentimentos, pensamentos e emoções por códigos manuais e corporais. A maioria dos surdos possui o aparelho fonador (os músculos responsáveis pela fala), em perfeito estado, sendo capazes de emitir ruídos e sons. Porém, a fala só é possível a partir da compreensão de fonemas e modulações vocais, identificadas pela audição. É por essa razão que normalmente os surdos não aprendem a falar.

O acompanhamento médico é fundamental para o amplo desenvolvimento do indivíduo, já que na maioria dos casos a surdez pode ser revertida ou amenizada, fazendo com que os indivíduos tenham uma vida normal, ou próxima do normal. Um bom especialista pode realizar um tratamento eficaz e contribuir para que esses pacientes consigam se comunicar da forma mais natural possível.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como otorrinolaringologista em Governador Valadares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir Chat
Envie mensagem direto no Whatsapp